DicasDicas

ATÉ A ROUPA CONTA NA HORA DE PROCURAR EMPREGO

Liliana Pinheiro


Traje escuro, cabelo curto, ausência de barba e pouca maquiagem aumentam as chances dos candidatos.

Se você conhecesse dois banqueiros gêmeos, um estivesse vestido com terno azul-marinho e outro com terno bege, para qual deles confiaria seu dinheiro? A maior parte das pessoas entregaria suas suadas economias para o de terno azul-marinho. É o que mostra pesquisa feita com 1.356 pessoas sobre o figurino ideal do executivo, especialmente aquele que procura emprego, realizada pelo Grupo Catho, especializado em colocação de profissionais.

O azul escuro dá confiabilidade ao profissional - cores escuras de modo geral -, segundo 67% dos profissionais ouvidos. Assim como o sóbrio tailleur, o conjunto de saia e paletó, que se transformou numa espécie de uniforme feminino no mundo dos negócios. É o terno para mulheres, o traje preferido por 62,99% dos executivos que entrevistam candidatas.

Não há explicação lógica para as preferências, lembra o fundador da Catho, Thomas Case. Impressões são impressões, e a experiência mostra que muitas vezes elas são mais determinantes para o sucesso do candidato do que o currículo.

O bom senso deve imperar nessa área, mas nem sempre é fácil. Como convencer uma mulher candidata que, mesmo se achando mais bonita e desejada pelo sexo oposto de cabelos longos, ela deve deixar essa lógica de lado quando o assunto é profissão? A Catho recomenda, sem dó: tesoura na cabeleira.

Os cabelos curtos para a candidata a um emprego são preferidos por 90,06% dos executivos. De acordo com Case, algumas não se rendem e demoram muito a conseguir uma colocação.

A exigência de maquiagem leve é outro ponto que costuma despertar o inconformismo das mulheres, tanto daquelas que detestam pintura no rosto como nas que adoram e por isso carregam demais. E a barba nos homens é um debate que chega a tomar dimensões inimagináveis em empresas de colocação pessoal.

Alguns doutores e Ph.Ds, executivos experientes, chegam ao ponto de apelar para o discurso irado, como "Tenho barba há 20 anos e não vou tirar"; "Minha barba sou eu"; "Meus filhos não me reconheceriam sem barba"; "Minha mulher não me aceita sem barba", e por aí prossegue o texto dos barbudos revoltados e convictos, conta o dono da Catho. Para tristeza deles, candidatos sem barba ou bigode têm mais chances de conseguir uma vaga, na comparação com os barbudos, segundo nada menos que 90% dos ouvidos.

"Fidel Castro mantém sua barba somente porque não está procurando emprego", diz Case. "Mas até Fidel, quando quer passar uma imagem confiável, opta pelo terno azul marinho." Um exemplo disso pode ser visto no encontro com o papa. A imagem que percorreu o planeta foi a de um sóbrio Fidel, de terno escuro, ao lado de João Paulo II.

Cabelo comprido nos homens, nem pensar - é recusado por 99,7% dos entrevistadores. Nesse ponto, as exigências são pouco democráticas e a tesoura tem que funcionar nos salões masculinos ou femininos.

A mulher de estilo esportivo sai perdendo ainda em outro ponto, pois terá de abrir mão de suas calças compridas em entrevistas. E não apenas em entrevistas, mas na vida profissional como um todo, se quiser ser considerada em promoções. Somente 6,6% preferem candidatas de calças, segundo a pesquisa da Catho. Segundo Case, a explicação é simples: "machismo puro".

"Bom senso é o caminho", afirma. Mas em algumas ocasiões, nem isso vale, e sim as regras impostas. Numa entrevista na beira da praia, ao meio dia, no Rio de Janeiro, o candidato deve ir de terno azul-marinho, do mesmo jeito. "Ainda que o entrevistador esteja mais informal", avisa Case. Para saber por que, basta folhear as revistas de negócios do mundo inteiro, inclusive as brasileiras. Ninguém está quentinho com deliciosas sopreposições de blusas de lã nos países frios ou bermudas nos climas equatoriais.

Costumes culturais muitas vezes são preservados no modo de vestir, mas com a globalização, cada vez menos aparecem em encontros políticos e de negócios.

Vide Fidel Castro de terno, num claro sinal do impacto dos novos tempos globais.


Fonte: NetEstado
 
Topo

 

 
COM QUAL ROUPA EU VOU?

Sempre que recebemos convites para algum tipo de evento, principalmente os mais formais, vem junto essa dúvida:

Com qual roupa eu vou?


Os convites escritos, obrigatoriamente, devem especificar o traje exigido. Quando o convite for verbal, quem convida deve mencionar que todos comparecerão com determinado tipo de traje.

Se você receber um convite que não menciona o traje, telefone para quem o convidou e pergunte, pois é horrível comparecer com a roupa inadequada.

Convites de casamento não mencionam o traje, pois já está implícito que deve ser "Passeio Completo".

Infringir estas regras soará, no mínimo, grosseiro e acintoso, fazendo o protagonista parecer tolo e ignorante. Não raras vezes, presenciamos em cerimônias de casamento, convidados e até padrinhos com camisas de manga curta ou calças jeans.

Também se cometem muitos erros em concertos, óperas e balés. Nessas ocasiões, o mínimo exigido é o traje "Passeio".

É importante observar que não se usa terno claro e nem marrom após às 18 horas.

Para orientá-lo, segue a descrição dos trajes de acordo com as nomenclaturas mais usadas no Brasil:

Esporte
Usado em reuniões ao ar livre, refeitórios de fábrica e churrascos.

Homem: camisa sem gravata ou pólo, jaquetas, malhas, docksider, mocassins e sapatos amarrados de nobuck (tênis só quando houver prática de esportes).

Mulher: blusa, saia ou calça comprida de tecidos como algodão e linho, malhas, sandálias mais fechadas no verão ou sapatos de salto baixo no inverno.

Passeio, Esporte Completo, Esporte Chic ou Esporte Fino
Cafés da manhã e almoços em ambientes um pouco mais formais.

Homem: blazer, camisa, camiseta lisa, gravata (opcional) e sapato de couro ou nobuck.

Mulher: tailleur, saia e blazer em cores diferentes, vestidos tubinho, saia e blusa de algodão, linho ou microfibra e bolsa simples.

Passeio Completo ou Tênue de Ville
Coquetéis de lançamento de produtos, jantares, sessões em órgãos públicos, apresentações musicais, concertos, óperas e balés, coquetéis inaugurais de exposições em museus.

Homem: terno liso ou de dois padrões (Príncipe de Gales ou Pied de Poule), camisa listrada, branca ou de cor suave, gravata e sapatos escuros (o termo completo significa que a gravata é obrigatória).

Mulher: tailleur, vestido com blazer, vestido de crepe, lã fria, microfibra ou seda e também veludo no inverno, sapatos escarpin, meia fina e bolsa pequena.

Alto-Esporte
Recepção, festas à noite, casamentos e formaturas.

Homem: terno escuro, gravata discreta em tecido nobre (seda pura), sapatos e meias pretas.

Mulher: vestidos ou tailleurs de tecidos nobres (crepes, tafetás, brocados, musselines e rendas), sapatos e carteiras ou menodiéres em couro, metalizado, camurça ou tecidos.

Black Tie
Jantares e festas mais sofisticados.
 
Topo

 

 
ROUPAS PARA PROCURAR EMPREGO

Denise Chaves

Pesquisa realizada pelo Grupo Catho, especializado em recrutamento de executivos, revela as preferências dos entrevistadores para candidatos a cargos de confiança: 67% escolhem os homens vestidos com terno azul-marinho, em 90% dos casos são selecionados candidatos sem barba ou bigode e em 99% é dada a preferência aos candidatos de cabelos curtos. Entre as mulheres, têm mais chances as que vestem tailleur (62% das respostas dos homens entrevistados e 66% das mulheres), usam maquiagem leve (respectivamente 88% e 94% das respostas) e cabelos curtos (90% e 87% das respostas).

"Existe preconceito por parte dos entrevistadores e as preferências são conservadoras", observa o coordenador da pesquisa e fundador do Grupo Catho, Thomas Case. O levantamento foi feito com 1.356 executivos de diversos ramos na Grande São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte e outras cidades com mais de 1 milhão de habitantes.

Concordando ou não com esses critérios, é importante que o candidato a uma vaga de executivo leve em conta a importância da aparência, segundo Case. "Quem está vestido formalmente nunca está errado, mesmo se a entrevista de emprego for num hotel à beira da praia."


Fonte: Jornal da Tarde
 
Topo